22 dezembro, 2005

O Natal do Burro

Fui muito pressionado pelo Burro, para passar à escrita os seus pensamentos sobre o Natal.
Mas acabei por reconhecer que o meu companheiro, tinha razão em se querer manifestar, ou não fosse ele um dos ilustres personagens, que desde a primeira hora esteve no nascimento do Messias.
Confidenciou-me que gostava do Natal, e admito que gosta muito mais do que eu, o que é normal que assim seja, pois não tenho a mesma notoriedade nem envolvimento que ele, nesta tão celebrada quadra festiva.
Apesar de se sentir muito feliz, disse-me que o incomodavam, determinados aproveitamentos que algumas personagens e instituições empresariais "bem intencionadas", fazem do Natal e dos que de Natal, pouco ou nada têm.
Eu ainda lhe disse, que talvez fosse má vontade dele, reconhecer que afinal tudo isso era feito para que o Natal, chegasse um pouco a toda gente.
Ripostou-me de imediato, sim, pois, também tu, não vês que a grande maioria dessas personagens, estão ainda infectadas, pelo vírus da para eles saudosa caridade, que aproveitam para se provomer à custa da miséria humana, pediu-me no entanto para ressalvar aqueles, que desinteressadamente, procuram diáriamente atenuar a fome, a dor e a miséria de muitas natalidades, menos bafejadas pela sorte.
De facto tenho que concordar com ele, as duas faces da moeda existem, há os que tudo fazem, para nesta época do ano, serem manchetes de jornais, aparecerem no famoso ecrã da televisão, são as bibás, as tétés, as titis e as tótós e seu pares, exibem as suas plásticas e visons, quais árvores de Natal artificiais.
Aproveitam para se fazerem confundir, com os que realmente trabalham arduamente, todos os dias do ano, para promover a dignidade humana, sem que se lhes dê a devida notariedade e apoio, para eles o nosso ainda que modesto bem haja.
Reconhecendo que o Natal é mais do que isso, que todos temos o direito de apaziguar um pouco, tudo quanto nos atormenta no dia a dia, aproveitemos para nos aconchegar à volta de algum calor humano, que apesar de tudo o Natal ainda nos proporciona, que se coma então o bacalhau, o perú, o bolo rei e todas as goluseimas, mas sem exageros nem desperdícios e façam o favor de serem felizes, ajudando também um pouco na felicidade dos demais.
FELIZ NATAL
O nosso muito obrigado.

1 comentário:

Anamargens disse...

Gostei de saber o que o burrinho pensa do Natal.
Gosto de conhecer modos de pensar sobre muitos assuntos...