06 agosto, 2009

dedico-te estas palavras





dedico-te estas palavras
com mãos quentes calejadas
dedico-tas por não m’as teres pedido
germinaram dos meus olhos sem teias
são sinceras, rainhas e plebeias

são a travessia branca da minha alma
a metamorfose de mim na palavra toda
um voo oblíquo de matéria ardente
um silêncio habitável por toda a gente
respira este lugar calmo transparente
na invulnerável superfície da página
vive medita e lê como quem sente

7 comentários:

escarlate.due disse...

ena pah agora até me dedicas palavras!
hã?? quê?? aaahhhh não eram para mim?? atãoprápróximafazfavordepornome!!!

:) beijooooooo

Vanda Paz disse...

Sempre bonitas as palavras que dedicas aos teus leitores

Beijoooo

Ana disse...

No silêncio habitável por toda a gente, não só li como quem sente, como verdadeiramente senti. Como costumo sempre sentir as navegações que faço pela tua escrita.

Nilson Barcelli disse...

Uma dedicatória feita poesia... num excelente poema.
Caro amigo, gostei imenso.
Abraço.

© Piedade Araújo Sol disse...

bonita homenagem, como sempre!

beij

Anónimo disse...

ADOOOOOOOOOOOOOOOOOREI!

AQUELE ABRAÇO!

Papoila disse...

Senti as tuas palavras;)

BF