06 novembro, 2008

na escrita sinto-me em férias do mundo

na escrita sinto-me em férias do mundo.
dentro dela;
não me considero obrigado a nenhum civismo.
tão-pouco;
a qualquer congeminação telúrica ou humana.

nela me debruço;
e apetece-me tudo menos ser responsável e ético.

ainda que as coisas do mundo;
se me entranhem na alma até ao cerne,
e não me deixem esquecer;
o dever de ser solidário para com quem sofre.

nela me sinto livre, aliviado e contente;
sim, porque a tristeza e eu somos a mesma pessoa.

antónio paiva

*inspirado na leitura de um texto sobre o Algarve, da autoria de Miguel Torga.

3 comentários:

rascunhos disse...

Boa noite amigo
Tenho andado meia ausente deste mundo. Mas sempre que a ele regresso, apareço para te cumprimentar.

Agora vou ali abaixo espreitar o que tens sido.

Um beijo e um abraço

Paula

Ana disse...

nela me debruço;
..............

nela me sinto livre, aliviado e contente;



A escrita é uma forma de amor - é a um tempo prisão e libertação.

Papoila disse...

E deve ser sempre assim. Tanto a escrita como a leitura... e tantas outras coisas ... livres sem obrigações.

Beijos
BF