22 março, 2009

breve ensaio amoroso


nesta cerimónia de amor herança,
escassos os meus dedos te acendem,
em botão de rosa fêmea perene.

em pose de homília liberta o perfume a violeta,
silhueta caminhando em leveza extrema,
que de tão leve e graciosa libélula não perturba o pólen.

dois pares de olhos, algures o mesmo desejo.

10 comentários:

Maria disse...

Começas bem uma nova Primavera...

Um beijo

Um Poema disse...

....

Para lá do recado, é desta tua forma de escrever que gosto.

Um abraço

kurika disse...

Violetas, pela cor, pelo cheiro, e pela beleza de si própria!

Como tu.

Beijinho

escarlate.due disse...

hum.... gostei!!! desta vez gostei mesmo muito!!

beijinhos

Claudinha ੴ disse...

Sempre primavera seja, felicidades! Belíssima maneira tem de dizer as coisas,poeta amigo! Muita saúde, paz e este amor que tanto estima sempre juntos de você!

No post de hoje, parece-me que a data desperta-lhe o desejo e que sua amada e musa se torna imprescindível.

Beijo!

Zé Miguel Gomes disse...

o sublime movimento é o que não perturba o pólen...

Vieira Calado disse...

Um belo poema, pleno de modernidade!

Um abraço

Vanda Paz disse...

Gostei muito deste ensaio

Beijo

Ana disse...

Está muito bem ensaiado.

É sempre entre dois pares de olhos que as coisas acontecem.

Um abraço.

© Piedade Araújo Sol disse...

muito belo, fico sem palavras perante a maneira como fazes os teus poemas.

criativos, belos, belos..

beij