04 maio, 2006

o meu pião é uma playstation


Ora nem mais, o pião dos nossos meninos é desde à algum tempo uma playstation, apesar da nossa burrice não somos contra o desenvolvimento, nada disso, no entanto gostaríamos de dizer que hoje em dia, a maioria dos pais e mães queixam-se da dificuldade de comunicar com os filhos, e até dos seus filhos comunicarem pouco com outras crianças.
Dizendo ainda mais, que não sabem o que hão-de fazer, que tudo fazem para que nada falte aos filhos, e que eles os filhos nunca estão satisfeitos, pode parecer exagerado mas não o entendemos assim, muito dos brinquedos que hoje se oferecem às crianças, são convidativos aos seu isolamento, muitos deles permitem-lhe até desenvolver nas suas personalidades, posturas de dominadores, e de pequenos seres poderosos, claro está que o passo seguinte é testar essas sensações no quotidiano, e quem está mesmo à mão para o efeito, os pais claro está, e vai daí passar a ideia à prática é um instantinho, é verdade que estes brinquedos desenvolvem as capacidades dos miúdos, e a prova está à vista.
Os pais hoje em dia vivem num estado de ansiedade permanente, estão sempre com a sensação de que estão a falhar, quer em tempo dedicado aos filhos, quer nos afectos, por isso para os compensar, pensa eles, mas pensam mal, vai de comprar tudo e mais alguma coisa que os meninos querem, pior a emenda que o soneto.
Hoje fala-se tanto dos efeitos do neo-liberalismo, que provoca a exploração escravização pelo trabalho, não será que o embrião desse neo-liberalismo não está mesmo dentro das nossas casas.
A playstation nasceu num país chamado desenvolvido, o Japão, por lá são inteligentes e capazes pois são, não há dúvida, ou haverá?
No Japão as pessoas quase não têm vida própria, o seu dia a dia é alucinante, cargas intensivas de horários de trabalho, inventaram hotéis onde os quartos são gavetões com ar condicionado e música ambiente, dormem vestidos dentro dos mesmos, deixam os sapatos na recepção, dormem 3 ou 4 horas para recomeçar a trabalhar de novo, não se atrevem a tirar mais que uma semana de férias por ano, com receio de quando voltarem o seu posto de trabalho já estar ocupado, pois desenvolvimento já nos estávamos a esquecer.
Que tal investir um bocadito mais no pião, até é mais barato, ou em último caso pode ser feito pelos próprios, ajuda a desenvolver aptidões, e os pais podem colaborar.

O nosso muito obrigado.

17 comentários:

sonia r. disse...

Chuvamiuda qual é a criança que neste momento quer um pião?
Ainda perguntam o que é isso...
Um bjo de bom dia.

amigona disse...

Vamos à loja comprar? beijo...

Maria disse...

Bom dia, a minha criança têm a playstation, o game boy, mas não liga grande coisa, gosta mais de estar a pintar ou na conversa comigo.
Beijos

Isabel-F. disse...

...pois eu concordo contigo...

quando a minha filha era pequena...já havia a play-station...mas não teve nenhuma...

...e não tenho razão de queixa nenhuma... antes pelo contrário...

Beijinhos

inBluesY disse...

... pois ... os pais tem muita culpa sim, e a PS quanto a mim até um mal menor, não alargando horizontes como os vossos..., a net, a tv tanta coisita má por ai, falo mãe q sou de 2 filhos entre os 9 e 12 anos e não é facil as solicitações a que estam sujeitos é preciso muito jogo de cintura dos pais tb para ir com muito jeito tentando controlar e propocionando outros interesses.

mas convenhamos que os tempos são dificeis tb e perdemos muita qualidade de vida... o reflexo disto não vai ser nada bonito.

Um bj

Rosmaninho disse...

Bom Dia aos Companheiros!
Quanto aos japoneses fica para outro momento...

Playstation versus pião...

Aqui em casa houve, felizmente, os dois. Um... servia para descansar do outro...
Houve tempos em que a playstation era, diariamente, usada. Na altura, desagradava-me imenso a compra de tantos jogos, carissimos,(ganhos à custa de muito bons nos testes escolares). Ainda cheguei a afirmar que os meus netos poderiam vir a sofrer alguma mutação no dedo polegar:):):).
Hoje, o filhote, com 19 anos, tem outras preferências e, pelos vistos, o pião e a playstation "ajudaram" cada um nos seus aspectos.
Há que falar muito, muito com as crianças e com os jovens...
Só o diálogo lhes permitirá escolher o melhor caminho.

~*Um beijo*~

alfazema disse...

Amigo burrito!

Há dias comentava isto mesmo observando centenas de jovens com idades compreendidas entre os 10 e os 16 anos. Nenhum brincava como os jovens do meu tempo ou do teu. Encostados às paredes encontrei a maioria e alguns a jogar futebol. Agora a moda é passar as tardes a ver televisão ( as novelas), jogos de computador, playstation... Os miúdos não incomodam, não fazem perguntas e mesmo às refeições servem-se doses de televisão. O diálogo não existe, a partilha de experiências de uns e outros não se faz, a procura do saber não interessa, a leitura reduz-se ao livro escolar e podia continuar por aí fora. Fazes muito bem em abordar estes temas porque podes acordar consciências, alertar para o perigo da falta de comunicação e da construção do edifício afectivo na família e fora dela a seu tempo.
Beijinhos e continua a agitar este marasmo cultural dos nossos tempos.

dreams disse...

pois é...
infelizmente o tempo que os pais têm disponivel é pouco e tentam compensar oferecendo o que os filhos lhes pedem...
é preciso investimar mais no tempo que se passa com eles, porque apesar de não o pedirem, bem precisam dele...

um beijo doce * para ambos
“·.¸Dreams¸.·”

aprendiz de viajante disse...

òh burrito... que grandes verdades dizes tu!!! Eu falo como mãe! Gostei muito do teu texto.

Um bjo e fica bem.

aprendiz de viajante disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Luna disse...

Tens toda a razão, até mesmo a obsidade infantil que tanto se esta a propagar passa pela falta de brincadeiras, antigamente corriam, jogavam á bola era mais saudavel
beijinhos

LM disse...

Para mim pode ser um iô-iô??
Beijo

alfazema disse...

...uma noite calminha, bem inspirada e a seguir um soninho sereno.
Um beijinho

sofia. disse...

E os berlindes, e a bola na rua, as corridas e jogo das escondidas...
Não sei se se estará a "criar" crianças mais inteligentes, mas acredito que a continuar assim, ficam menos sociaveis e imaginativas
E é triste!
beijinho

sonia r. disse...

Boa noite Chuvamiuda.

Bjo.

Tia Cremilde disse...

não me parece que os tempos de hoje proporcionem às nossas crianças um desenvolvimento mais saudável do que há uns míseros 20 anos atrás! para mim o segredo está na quantificação das doses... não sou contra a playstation, mas sou contra o sedentarismo infantil!

fica bem!

Ouvinte disse...

Que dizer? Acho que no fundo procuramos isso desde que nos começamos a desenvolver enquanto raça ... antigamente saiamos (nós machos) para ir à caça, traziamos comida para casa para alimentar a mulher e os filhos, hoje temos de sair os dois de casa, mulher e homem, trazer dinheiro de um trabalho para ir gastar tempo a um supermercado comprar a comida para alimentar os filhos que passam o tempo perdidos com coisas que o dinheiro também comprou ...

Com o passar do tempo e com o crescimento deste desenvolvimento, acabamos condenados a viver ligados ao preço de uma fonte de energia que não para de subir e que ainda por cima nos dá cabo da saúde com a poluição que gera.

O pião, tens toda a razão, lembro-me de passar horas a fio só para ver aquilo rodar um bocadinho, é que nunca fui muito dotado, mas o prezer de enrrolar a corda no pião para o soltar e ver rodar.

Saudades.
;)